APTOPIX Paris Fashion Christian Dior

Ativismo marca a primeira temporada de moda do ano

Não faltaram causas em uma das mais engajadas temporadas de moda da história recente. 

Teve feminismo na Dior, luta contra a fome mundial na Balenciaga, apoio financeiro à ONGs que protegem os direitos LGBT pela Burberry, a defesa do controle de venda de armas na Gucci, e mais grifes de luxo, que resistiam a abolir o uso de peles em seus produtos, enfim aderiram às versões sintéticas do material.

Go vegan!

Nos desfiles dessa estação, Armani, Chanel, Givenchy, Gucci e Michael Kors reforçam o time liderado por Stella McCartney, a estilista britânica, defensora dos direitos animais e uma das pioneiras a tratar da questão na indústria da moda. A Michael Kors que declarou em dezembro que não iria mais usar pele – seis meses após o estilista que dá nome a grife ter um discurso interrompido por ativistas. O resultado já foi visto em fevereiro durante a Semana de Moda de Nova York, com uma coleção recheada de casacos que imitam a pelagem natural dos animais e outros em tons vibrantes, como o vermelho.

Michael_Kors_fall_winter_2018_2019_collection_New_York_Fashion_Week1

Michael_Kors_fall_winter_2018_2019_collection_New_York_Fashion_Week2

Assista o desfile na íntegra aqui:

A Gucci, que assinou em outubro de 2017 um contrato com a Aliança Livre de Pele, organização que visa acabar com a exploração animal na indústria da moda, endossa o movimento. “Tomamos esta atitude porque acredito que usar pele não é moderno, é datado”, declarou Marco Bizzarri, presidente da grife, na ocasião.

Até mesmo o estilista Karl Lagerfeld teve de rever seus conceitos. Ao menos na Chanel. Grande defensor do uso de pele e inimigo dos ambientalistas, ele se teve de se render ao movimento, colocando apenas peles sintéticas no desfile da marca francesa. Na italiana Fendi, onde também atua como diretor criativo, o material de origem animal ainda foi usado.

Confira o desfile da Chanel realizado na Paris Fashion Week:

Contra a fome no mundo

No último domingo, dia 4, a Balenciaga apresentou sua coleção de outono/inverno 2018-2019 em Paris com uma missão que ia além de mostrar as próximas tendências da temporada. Em parceria com a World Food Programme (WFP), maior organização humanitária em combate à fome ao redor do mundo, a icônica marca francesa (de origem espanhola) criou uma série de peças cuja renda das vendas será revertida para o programa. Moletons, tricôs, camisetas, bolsas e bonés traziam estampado o slogan “Saving Lives, Changing Lives” (Salvando Vidas, Mudando Vidas).

balenciaga-fall-2018-runway-show-collection

Com a parceria, a Balenciaga quer engajar seus consumidores em causas sociais de importância mundial, além de usar seu poder de influência para dar visibilidade a instituições como a WFP, que tem como objetivo acabar com a fome mundial até 2030.

De 25 de agosto de 2018 até 1º de fevereiro de 2019, 10% das vendas de cada produto com o logo da WFP serão doados para a organização. De acordo com a marca, a compra de um simples boné pode garantir mais de 200 pacotes de biscoitos de alta energia para pessoas em situações de emergência, enquanto uma jaqueta corta-vento pode fornecer kits de alimentação suficientes para abastecer 100 famílias.

Assista o desfile aqui:

Controle de armas

A marca não foi única a voltar sua atenção para causas políticas e sociais nesta temporada. A Gucci, que, assim como a Balenciaga, pertence à holding francesa Kering, doou meio milhão de dólares para a “March for Our Lives Gun Control Rally”, uma marcha criada por estudantes de Washington, nos Estados Unidos, em prol do controle de armas no país.

O anúncio veio depois do tiroteio que deixou 17 vítimas em Parkland, na Flórida, em fevereiro deste ano. O diretor criativo da grife italiana, Alessandro Michele, afirmou estar comovido pela coragem da iniciativa. “Eu permaneço ao lado da March for Our Lives e das jovens mulheres e homens que estão lutando por sua geração e pelas que ainda virão”, disse ele.

Vale conferir o desfile da Gucci na Milão Fashion Week, que misturou elementos de futurismo e teve como inspiração o ensaio ‘Manifesto Ciborgue’, da bióloga feminista Donna Haraway, e contou com diversos elementos sinistros, além de misturar influências árabes, romanas e norte-americanas:

Juventude LGBT

A Burberry mostrou seu apoio à causa LGBT, não apenas com uma coleção inteira com peças com listras multicoloridas incorporadas ao seu icônico xadrez, como também anunciou que fará doações para importantes organizações que apoiam o movimento. “Nunca foi tão importante dizer que em nossa diversidade reside nossa força e criatividade”, declarou Christopher Bailey, que encerrou sua participação como diretor criativo da marca na abertura da London Fashion Week, realizada em 17 de fevereiro.

burberry

“Não é não”

As reivindicações das manifestações de maio de 1968 na França voltaram a ecoar pelas ruas de Paris durante o desfile da Dior, que foi uma homenagem ao movimento hippie – um dos momentos chave da luta feminista, na qual a estilista Maria Grazia Chiuri encontrou sua maior fonte criativa.

Models present creations by designer Maria Grazia Chiuri as part of her Autumn/Winter 2018-2019 women's ready-to-wear collection show for fashion house Dior during Fashion Week in Paris, France, February 27, 2018. REUTERS/Pascal Rossignol TPX IMAGES OF THE DAY
O cenário, uma instalação dentro do Museu Rodin, foi criado por Alexandre Betak, colaborador recorrente da marca, que envelopou as paredes do salão com capas de revistas dos anos 1960, fotografias da época e frases de impacto. Espelhos pregados ao longo do teto permitiram que os convidados observassem as criações de todos os ângulos, como também aproveitar os momentos antes da apresentação para tirar uma selfie com os cartazes que carregavam os dizeres “I Am a Woman” (Sou uma mulher) ou “La voix des femmes” (A voz das mulheres).

A ideia de fazer moda com o feminismo se tornou um código de identidade da Dior na era Chiuri, a primeira mulher na direção criativa da marca, que nesta coleção explorou a mensagem de que “Não é não”.

A model presents a creation by designer Maria Grazia Chiuri as part of her Autumn/Winter 2018-2019 women's ready-to-wear collection show for fashion house Dior during Fashion Week in Paris, France, February 27, 2018. REUTERS/Pascal Rossignol
O desfile na íntegra está aqui:

Acompanhe a cobertura das semanas de moda no nosso Instagram: @trend.notes

Imagens: Reprodução

POSTS RELACIONADOS

Macrotendências 2019: o futuro do consumo, mercado...
views 786
Em um mundo de mudanças rápidas e contínuas, as previsões de tendências revelam como a sociedade deverá se comportar em um futuro próximo. Uma macrotendência dura ao menos 5 anos e abrange uma ampla variedade de indústrias e segmentos.Os experts da WGSN e London United revelaram seus dossiês comp...
Homenagem à juventude LGBT no desfile da Burberry
views 224
Em seu último desfile como diretor criativo na Burberry, Christopher Bailey prestou uma homenagem aos jovens da comunidade LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transgêneros) ao redor do mundo na London Fashion Week.  Christopher Bailey fez várias referências à comunidade LGBT mesclando perfeita...
Os novos sentidos da moda carioca
views 708
CenaRIO Criativo apresentou marcas e profissionais que estão fazendo a diferença no Rio   Diversidade, empatia e representatividade. Esses temas poderiam ser abordados em um evento sobre moda? O evento CenáRIO Criativo, que aconteceu no dia 13 de julho no lounge da incubadora Rio Criativo, prov...
Marcas de tênis apostam em estilo para apoiar o mê...
views 546
As principais marcas mostraram o seu apoio à comunidade LGBT com produtos estilizados - e lindos! <3  A Nike acaba de lançar sua coleção cápsula #BeTrue ajudando a lançar a LGBT Sports, uma organização sem fins lucrativos dedicada à promoção da diversidade, inclusão e não-discriminação no ...
Sobre Drags e cinema independente no Brasil: respe...
views 777
Estreia, nessa sexta-feira (8 de julho), o longa metragem “Vida de Rainha”, que você leu primeiro aqui no Trendnotes, ainda na fase de pós-produção. Primeira incursão cinematográfica da fotógrafa e jornalista carioca Luciana Avellar, o filme conta a trajetória de artistas de Transformismo e Drag Que...

Divulgado no TrendNotes por: Carolina Landi

Jornalista carioca com alma de artista e bailarina nas (poucas) horas vagas. Gosta do pop ao erudito, em todos os sentidos e artes. Acredita em empatia e sincronicidade. Curiosa, quer viver várias vidas nessa existência.

já postou 99 vezes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *